Catalogo de Orquideas




Catalogo Masdevallia

http://www.fotografo-osgomes.blogspot.com.br/p/catalogo-de-orquideas.html


Masdevallia:   
O nome é uma homenagem ao médico e botânico espanhol José Masdeval, que teve seu nome latinizado para Iosephus Masdevallius. Masdeval viveu no século XVIII, na corte de Calos III.
Este gênero compreende mais de quinhentas espécies epífitas, ocorrendo no Brasil, Peru, Equador, Colômbia, Costa Rica e Venezuela. A maioria das espécies vive acima de 0 a 2.000 metros de altitude e poucas se adaptam a climas quentes. Deste gênero foram desmembrados: Dracula, Dryadella, e Trisetella.
Dracula:
O estranho nome deste gênero deriva da palavra romena “Dracul”, que tem sua origem no latim: Draco, nis, e este do grego: δράκων, οντος (drákon, drakontos) que significa "Dragão"; assim “Drácula” seria o diminutivo "Dragãozinho", ou "Filho do Dragão", numa referência à personagem histórica,  que deu origem à lenda do Conde Drácula, cujos dentes caninos são comparados às antenas das sépalas deste gênero.Muitas das Draculæ têm nomes bem humorados, que referem-se a animais, monstros mitológicos, ou de histórias de terror tais:        chimæra, circe, chiroptera, diabola, lemurella, gorgona, marsupialis, nosferatu,polyphemus, simia, vampira e vlad-tepes.
Existem cerca de 122 espécies, desde plantas com flores miniaturas até flores que medem cerca de vinte centímetros de diâmetro. Mais de noventa porcento das Dracula são originárias das montanhas do lado oeste do Andes no centro e sul da Colômbia e norte do Equador, mas algumas ocorrem também em outras áreas desses países, três espécies recentemente descobertas no Peru, uma conhecida do México, e também nove ou dez nos outros países da América Central. São plantas epífitas que preferem as áreas nebulosas das montanhas onde raramente estão expostas a luz solar direta e a umidade é elevadíssima. Como um todo, as Draculaapresentam altíssimo grau de endemismo, diversas espécies conhecidas de uma única ou poucas coletas, depois propagadas artificialmente.
O gênero foi proposto por Carlyle August Luer em 1978 para as espécies antes classificadas como Masdevallia cujas sépalas terminam em um apêndice alongado parecido com uma cauda, além de outras pequenas diferenças na estrutura floral. Quando Luer estabeleceu o gênero Dracula apenas 28 espécies estavam descritas, quase todas pór Heinrich Gustav Reichenbach. Em dezembro de 1993, Luer publicou uma ampla revisão do gênero onde constavam mais 78 espécies por ele descritas a partir de 1978. Após 1993, outras 18 espécies foram descobertas. Além das 23 espécies descritas no passado, apenas quatro espécies de Dracula não foram originalmente descritas por Luer. Por ser um gênero proposto há poucos anos, cuja maioria das espécies foi descrita recentemente, poucas são as espécies que têm sinônimos, e quase todos os existentes são os nomes de sua descrição original. Dos sinônimos restantes, muitos são de espécies que Luer inicialmente aceitou como boas mas no período entre suas duas publicações, de 1978 e de 1993, teve a oportunidade de estudar melhor, concluindo que pela variabilidade de muitas espécies, é impossível separá-las.
Geralmente são plantas que precisam de umidade constante nas raízes, e temperatura sempre inferior a 25 graus e baixa luminosidade,  assim seu cultivo é mais indicado para locais frios. São plantas que crescem muito bem e com facilidade formando grandes touceiras quando as citadas condições são atendidas. Por outro lado são muito delicadas e de maneira nenhuma toleram seca e calor, uma semana de calor ou seca são capazes de acabar com uma enorme planta cultivada adequadamente por muitos anos. Um dia de calor excessivo faz também que todos os botões e flores murchem imediatamente.
Muitas espécies apresentam inflorescências pendentes. Não devem ser plantadas em vaso, uma vez que a inflorescência frequentemente atravessa o substrato e sai pelos furos inferiores do vasos aparecendo por baixo da planta. Quando o vaso tem poucos furos inferiores, a planta raramente encontra essas saídas e a floração aborta. Assim a preferência deve ser por caixinhas de ripas de madeira ou cestinhos de plástico inteiramente perfurados facilitando a saída da inflorescência.
Dryadella:
É um género botânico pertencente à família das orquídeas (Orchidaceae). Foi proposto por Carlyle August Luer em Selbyana, em 1978, elegendo sua espésie  Masdevallia elata Luer. O nome é uma referência mitológica às Dríades,ninfas das florestas.
Existem cerca de cinquenta espécies de Dryadella espalhadas pela América tropical, da Guatemala ao sul do Brasil, que antes faziam parte do gênero Masdevallia, suas parentes próximas. São miniaturas epífitas, de crescimento cespitoso, em regra que habitam florestas úmidas e sombrias.
Seus caules são curtos delgados unifoliados, com folha mais ou menos estreita ereta, de bastante carnosa ou semiterete até coriácea. As curtas inflorescências brotam junto à base das folhas, são solitárias porém não raro abundantes, fasciculadas, com flores pequenas ou minúsculas.
As flores têm sépalas geralmente caudadas que possuem junto à base um calo transversal que sustenta o labelo e as pétalas na posição correta. As pétalas, bem mais largas que compridas, muito menores que as sépalas, permanecem alinhadas para a frente, paralelas à coluna. Normalmente são de estranhos formatos angulosos. O labelo possui dois calos e permanece pendurado à colunapor longa e tênue garra. A coluna é larga, com duas asas laterais e duas polínias.
Trisetella:
                É um género botânico, foi proposto por Luer em Phytologia 47: 57, em 1980, em substituição ao gênero Triaristella, publicado por Brieger, cujo nome já estava tomado por um gênero de fósseis. A espécie tipo é a Trisetella triaristella, anteriormente publicada por Reichenbach como Masdevallia triaristella. O nome vem do latim trisetellus, que significa com três pequenas cerdas, uma referência às caudas presentes nas sépalas de suas flores.
Trisetella compreende cerca de vinte pequenas espécies, que formam um grupo bastante homogêneo, facilmente reconhecível, distribuído da América Central ao Norte do Brasil e Bolívia, apenas uma espécie presente no Brasil.
São plantas epífitas, em regra de crescimento cespitoso. Apresentam ramicaules curtos, e folhas estreitas e alongadas, algumas vezes semiteretes. Sua inflorescência é racemosa, com poucas flores que abrem em sucessão.

As flores geralmente apresentam sépalas de extremidade caudada, mais ou menos carnosa, que algumas vezes começa no ápice dasépala, outras vezes perto dele, as laterais concrescidas formando uma sinsépala. As pétalas são pequenas e o labelo apresenta um par de carenas baixas no disco, e delgada fixação ao pé da coluna, ladeada por dois pequenos lobos pertencentes ao labelo. Aantera é ventral, parcialmente recoberta pelo ápice da coluna e contém duas polínias.






























*************************************************************************************************************************







































**************************************************************************************
Catalogo de Bulbophyllum 

Para você orquidofilos neste catalogo tem 240 espécie de bulbophyllum, com foto e nome.   











































Bulbophyllum é o maior gênero da família das orquídeas Orchidaceae . Com mais de 2.000 espécies, é também um dos maiores gêneros de plantas com flores , superado apenas pelo Astragalus. Este gênero é abreviado nas revistas comerciais como lâmpada .
Filogenia
Este gênero foi primeiramente descrita por Aubert du Petit Louis-Marie-Thouars (abreviatura botânicos Thouars ) em seu livro "Histoire des plantes Particulière orchidées recueillies sur les trois Iles Australes d'Afrique, de França, de Bourbon et de Madagascar", descrevendo 17 espécies de Bulbophyllum. Existem hoje mais de 2800 registros (nomes aceitos e sinônimos) para este gênero. Esse grande número e da grande variedade de suas formas fazer o gênero um desafio considerável para o taxonomista:. 120 seções e subgêneros foram listados.  O nome científico foi derivado da palavra latina bulbo (lâmpada-like) e do grego palavra phyllon (folha), referindo-se aos pseudobulbos em cima do que a folha está em crescimento.
O centro de diversidade do gênero se nas florestas montagem de Papua Nova Guiné (mais de 600 espécies), que parece ser a evoluçãopátria, que o gênero é pantropical e generalizada, ocorrendo em Austrália , Sudeste Asiático (com mais de 200 espécies em Bornéu), Índia , Madagascar (com 135 espécies, algumas endêmicas), África e no centro tropical e América do Sul . 
Estrutura
As características gerais deste gênero são: single-NodeD pseudobulbos, a inflorescência basal e os lábios de celular. Este gênero abrange uma incrível variedade de formas vegetativas, a partir de plantas altas com cana-de-como hastes, para erradicar os escaladores que vento ou rastejar seu caminho até troncos de árvores. Os outros membros são pendurados epífitas (plantas que crescem em outros), e um grande número que se desenvolveram folhagem suculenta para um maior ou menor grau. Algumas espécies são rupícolas . Uma espécie tornou-se quase sem folhas e usa seus pseudobulbos como os órgãos da fotossíntese . 
Estas orquídeas com uma simpodial crescimento têm rhizomatous hastes com freqüência angulares pseudobulbos . A fina de folhas coriáceas são dobradas longitudinalmente.
Polinização
Muitos Bulbophyllum espécies têm o odor típico da decomposição de carcaças , e as moscas que atraem ajudar na sua reprodução através de polinização .
A ereto ao dente inflorescência surge lateralmente a partir da base do pseudobulbo. A forma de flor tem um plano estrutural básico que serve para identificar este gênero. Mas esta forma pode ser muito diversa: composto ou simples, com poucos ou muitas flores, com osressupinadas flores dispostas em espiral ou em duas fileiras verticais. As sépalas e as pétalas também podem ser muito variadas: reto ou virado para baixo, sem footstalk ou com uma garra muito tempo na base. Elas são muitas vezes peludo ou insensível. Há 2-4 duro e ceroso polínias com stipes presentes ou ausentes. Os frutos são cápsulas beakless. 
Cultivo
As espécies fabulosas e bizarras que compõem este grande género têm sido o foco de colecionadores de orquídeas há mais de um século. As plantas necessitam de alta umidade combinada com boa circulação de ar ea maioria deles têm um hábito sempre florescendo e flor continuamente ao longo do ano. Eles tendem a preferir os níveis de luz moderada, mas não gostam de sombra profunda. Eles são considerados moderados a difícil no cultivo, e exigem um ambiente controlado crescendo para atingir algum grau de sucesso. Eles geralmente não são adequados como plantas de interior, ea maioria não irá prosperar em um caso Wardian a menos que recebam movimento de ar adequado. O hábito de crescimento plantas produz pseudobulbos amplamente espaçados ao longo de cabo-como seções rizoma, ea maioria destas plantas são mais acomodados em placas. Algumas espécies deste gênero podem ficar muito grande, mas a maioria destas espécies são de pequeno e médio porte de epífitas quente, úmido, florestas tropicais úmidas. Eles podem crescer continuamente rodada anos sem período de dormência aparente se forem mantidos quentes e são alimentadores moderados no cultivo e deve ser mantida úmida o tempo todo. Eles podem tolerar secura por períodos curtos, mas eles têm sistemas de raízes finas e preferem condições de umidade o tempo todo. Algumas das espécies menores fazer bem em vasos com substrato de casca de pequeno diâmetro. As plantas produzem raízes muito finas em geral, e as raízes são facilmente danificadas. As plantas não gostam de perturbação de suas raízes. Elas são fáceis de manter uma vez que um bom ambiente é estabelecida com alta umidade e uma atmosfera fresca, flutuante, levemente circulando ser crítico. A maioria dessas espécies são o calor amoroso e não pode tolerar temperaturas frias ou geladas.
As flores produzem vários odores semelhantes seiva, urina, sangue, fezes, carniça, e algumas espécies de aromas frutados perfumadas.A maioria destas espécies são polinizadas voar, e atrair hordas de moscas, mas não todas as espécies neste género muito grande.Bulbophyllum beccarii em flor tem sido comparada a cheirar como uma manada de elefantes mortos e dois esta espécie e Bulbophyllum fletcherianum são variadamente descrito como o que torna difícil para andar em uma estufa em que estão sendo cultivadas se as plantas estão em flor por causa de suas avassalador odores florais.


*****************************************************************************








*******************************************************************************








**********************************************************************************8


*********************************************************************************


******************************************************************************


*****************************************************************************



********************************************************************************


*********************************************************************************